Queremos partilhar os Açores!

#1

Fotografia de: Milton Teixeira


Jornalismo: a possibilidade de ser!

O que é o jornalismo? O que é ser jornalista? Como é contar o que se ouve e o que se descobre? É uma aventura fantástica! Completamente!

Ser jornalista faz-nos entrar na casa das pessoas, pela televisão, pela rádio, pela internet, pelos jornais: sem pedir permissão! E as pessoas gostam? Claro que sim!

Gostam de receber as notícias pela manhã, enquanto bebem o café, ou de espreitar os títulos enquanto preparam os lanches dos filhos.

Ser jornalista é a possibilidade de ser importante na vida da sociedade, responsável pelos assuntos que são noticiados, ser capaz de partilhar aquilo que chegou até nós.

Ser jornalista é assim: uma montanha russa de sensações e de orgulho sempre que cada página é editada com o nosso nome.

O meu percurso jornalístico começou há doze anos, em 2004, quando decidi, acidentalmente, ingressar no curso de Comunicação Social e Cultura, na Universidade dos Açores. Fiz o primeiro estágio em jornalismo, no jornal Expresso das Nove. Neste Verão tudo mudaria: e tudo mudou. O frenesim de trabalhar numa redacção fez-me agradecer todos os dias por ter frequentado e concluído aquele curso.

Outros anos do curso se seguiram e outros estágios também: Açoriano Oriental, Jornal Diário, RDP e RTP Açores. Mas os estágios chegaram ao fim. A realidade impunha-se e o desemprego também. Em Outubro de 2009 vi-me a braços com um curso concluído e com o desemprego à porta!

Tinha que ganhar um ordenado no fim do mês, e foi o que me levou ao trabalho administrativo que hoje em dia desempenho. No entanto, queria escrever: o máximo que pudesse. Iniciei então uma caminhada de entrevistas a artistas que iriam ser publicadas no Açoriano Oriental. Jornalistas, escritores, músicos, pintores, etc. Nesta aventura, já mais de 100 entrevistas foram realizadas por mim: e quanto orgulho sinto.

Mais tarde, surgiu um convite: coordenar um projeto de escrita criativa nos Açores, o EscreVIVER (n) os Açores. Este tem como mentor principal o escritor Pedro Chagas Freitas. Entre diversos eventos literários, foi ficando o gostinho da escrita e a criatividade começou a morar no meu cérebro.

Para completar o puzzle, percebi na escrita literária uma porta aberta para ser mais preenchida profissionalmente. Assim sendo, já publiquei quatro livros e outros se seguirão!

Na realidade, depois de toda esta mudança na minha vida, concluo que tenho que fazer o que gosto, da melhor maneira possível!

Por isso, nasce hoje o Azores News: um projeto editorial que leva os Açores mais longe!

Acompanhem-nos: não se irão arrepender!

Patrícia Carreiro